quinta-feira, 18 de maio de 2017

Fechamento Circuit Breaker - R$ 5.952,00 ( - 2,08%)

Olá Galera da Finansfera!

Todo mundo juntando os cacos do dia de hoje?

Passando rápido, para registrar para a posteridade.... de ontem para hoje fiquei R$ 5.952,00 mais pobre! Nunca tive tanta variação patrimonial negativa assim na minha vida... e fico pensando a galera que é bem mais exposta do que eu na Renda Variável!

Meus FIIs SANGRARAM lá pelas 11h. Depois do Circuit Breaker (o primeiro que vivenciei) deu uma acalmada...

[update]
Minhas maiores quedas foras nas ETF:
FIND11 -> -11,1%
BOVA11 -> -8,5%

em FII:
BBPO11 -> -5,4%
SAAG11 -> -5,3%
BRCR11 -> -5,2%
HGLG11-> -4,3%

"Muita calma nessa hora". 
Uó. 2017

Não efetuei nenhuma venda hoje, mas fiz algumas compras com o pouco que eu tinha líquido.. 
Ainda sou muito novo na renda variável (olha que só invisto em FII e Fundos de Índice), e tudo isso que ocorreu hoje foi de bastante aprendizado!


Juros futuro disparou, O Risco Brasil aumentou e as Taxas do Tesouro Direto até que estão interessantes para compra. O Valor de face dos títulos também despencou de ontem para hoje.

Sobre tudo isso, só fico impressionado com a criatividade do Brasil em criar Meme! Parece até que a gente espera notícias trágicas só para fazer Meme.. hahahha

Vou participar da campanha do VdC:

Circuit Breaker Brasil 18 de Maio de 2017! Eu participei!

grande abraço!


terça-feira, 2 de maio de 2017

Fechamento Abril 2017 | R$ 280.155,75 (-0,38%)

Olá companheiros da Finansfera! 
Segue fechamento de ABRIL/ 2017:

Resumo:
- Carteira [ líquida ] atual: R$ 280.155,75
Valor investido no imóvel até abril/17: R$ 215.819,20
- Valor Total de Patrimônio (carteira + imóvel): R$ 495.974,95

- Renda Passiva de Abril/2017: R$ 1.949,42
(Aluguel, Juros de TD Selic, LCA, LCI, CDB, Debenture e Dividendos de FII).
A renda passiva de abril cobriu 80,2% dos meus gastos no mês.

- Variação da Carteira no período (abr/17): -0,379%
- Variação da Carteira em 12 meses (abr/16 a abr/17): + 24,34%
- Rentabilidade do mês (abr/17): + 0,00%
- Rentabilidade do ano (até abri/17): + 5,60%
- Rentabilidade em 12 meses (abr/16 a abr/17): + 14,67%

Benchmark - mês | ano | 12 meses

- SELIC - 0,79 | 3,84 | 13,47
- CDI -      0,79 | 3,84 | 13,45
- IBOV -   0,64 | 8,59 | 21,32
- IFIX -     0,16 | 9,20 | 30,99
- IPCA -   0,21 | 1,18 | 4,16


Situação da Carteira no final de ABRIL / 2017:


Evolução da Carteira - Histórico Completo - Registros de ABRIL:


Distribuição do Patrimônio - ABRIL / 2017:




Olá amigos!

Pelo terceiro mês seguido estou andando de lado, o motivo é que tirei férias em março e isso comprometeu a receita de abril (pois eu a recebi no final de fevereiro..)
Porém agora a tendência é voltar a normalidade. Receitas virão do salário, do aluguel do meu apartamento e dos meus ativos de carteira (isso claro, se minha rentabilidade sair do 0%).

Em abril, apesar do IFIX ter ficado positivo, meus FIIs sofreram desvalorização. Fiz alguns aportes em fundos de papel e ETFs (que ainda estou em fase de estudos, por isso a baixa exposição).

A partir deste mês, irei monitorar quanto de renda passiva "garantida" estou tendo, por mês.
Isso corresponde a todo valor que recebi com aluguél, juros do TD Selic, juros de aplicações de RF como LCA, LCI e CDB, além de Debentures e Dividendos de FII.
Não estou incluindo variação de valor de mercado de FII, nem ETF, nem a marcação a mercado para venda antecipada de TD IPCA ou Pré.

No mês passado, essa renda passiva cobriu 80,2% dos meus gastos pessoais. Aqui, um adendo: somente não inclui o que eu pago de financiamento do imóvel, pois ainda entendo que é um investimento em patrimônio. Contando o financiamento, a renda passiva cobriu 37,6% de todas as minhas despesas.

#RumoaIF!

VIDA PESSOAL

Academia em abril foi um fracasso. Estou emagrecendo novamente (o que não é a intenção), e pretendo voltar agora em maio. 
Socialmente falando, também as coisas estão bem. Não vou detalhar muito (apesar da vontade de compartilhar minhas experiências sobre) haha, pois não é o objetivo deste blog.

Estou tendo muita chateação com certas conversas com alguns amigos / colegas. Percebi que não consigo conversar com a maioria das pessoas, sobre alguns assuntos mais 'sérios'. Eu tento respeitar a opinião alheia, porém, em um debate de diferentes ideias, espero ouvir argumentos, fatos, dados, ou uma análise de um ponto de vista diferente do meu, embasado em um mínimo de raciocínio lógico.

...mas, me deparo com alguns "Eu acho isso, é minha opinião e pronto!".

WTF? Leitor, caso você seja alguém assim, saiba que todo mundo tem opinião, mas OPINIÃO NÃO É ARGUMENTO.

Quero deixar um trecho da entrevista do Walter Carnielli, muito interessante por sinal:

"Nós, brasileiros, temos uma péssima educação argumentativa: confundimos discussão com briga, e vemos as críticas como inveja, falta de amizade, falta de amor etc. Pior ainda: quando começa uma discussão, muitas vezes vem o seguinte: ‘tenho o direito de ter minha opinião’, seja sobre o criacionismo, o governo, a política ou a pena de morte. Claro que todos têm o direito de manter sua opinião, mas opinião não é argumento. A democracia também é feita de opiniões - ninguém precisa argumentar para votar no candidato que preferir, basta manifestar sua opinião nas urnas. Mas quando o candidato quer nos convencer, ou quando queremos convencer os outros sobre nossa posição política, nossa crenças não bastam."
O acesso a rede sociais em massa intensificou essa falta de "educação argumentativa" do brasileiro. Em época de eleições, ou em situações de instabilidade política/econômica como vivemos hoje, isso se potencializa!
O restante da entrevista é bem interessante e é possível acessá-la neste Link 

Grande abraço

PJ


quinta-feira, 13 de abril de 2017

No primeiro encontro, quem paga a conta?

Imagina a cena, você chama aquela gata que está de papinho no whatsapp para um barzinho. Se encontram no local, tomam uma boa bebida, comem, dão risadas... rola um beijo.
Depois de algumas tantas outras conversas (e talvez mais alguns beijos), percebem que está ficando tarde, e decidem pedir a conta.



Nesse momento, quem nunca teve uma certa expectativa ou até aflição sobre como será a reação da garota em relação ao pagamento da noite?

Será que ela vai se oferecer a dividir a conta?

Coincidentemente ela ficou com vontade de ir no banheiro bem quando o garçon chegou com a conta... que coisa não?

Aquele drink que ela pediu era bem caro! Como será que está o limite do meu cartão?

Não tem como. Apesar de todo avanço dos direitos femininos de possuírem iguais condições ao homem, ainda hoje é um tabu "dividir a conta".

Se você tem curiosidade de saber o que nossas companheiras pensam sobre, encontrei alguns relatos bem interessantes na internet que gostaria de compartilhar com vocês:

“Recentemente saí com um homem que insistiu em dividir, mas separou a conta e disse: ‘Vou pagar por uma de suas taças de vinho e metade das entradas’. Realmente esfriou o fim do encontro e tornou algo que tinha sido uma noite romântica em uma negociação, então peguei a conta e paguei tudo. Acho que é elegante um homem planejar pagar se a convidou para sair. Se um cara não quer gastar em uma taça de vinho enquanto desfruta da minha companhia, por que deveria ficar ao lado dele?"
Na minha opinião, o colega ae do relato foi infeliz. Numa tentativa de tentar ser legalzinho (porém não tanto), ofereceu para pagar parte (?) da comanda da companhia isso depois de insistir em separar as contas. Criar qualquer tipo de negociação financeira no fim de um restaurante vai brochar qualquer mulher.

Outro relato:
“Quando eu era mais nova, eu ‘pegava’ a conta sem nenhuma intenção de pagar, mas pelo menos fazia o gesto. Se ele aceitasse minha ‘oferta’, eu pagava, mas nunca haveria um segundo encontro, mesmo se o primeiro encontro tivesse sido muito bom. Agora que estou mais velha, eu nem sequer faço o gesto — melhor que ele saiba o que se espera dele logo no começo!”
É, nesta situação temos um caso claro onde a mulher ESPERA que seja a atitude do homem, e pelo visto, não somente no primeiro encontro. É esse tipo de mulher que eu tento evitar.

Porém, as vezes, nos deparamos na seguinte opnião:

“Em qualquer encontro, seja o primeiro ou o último, sempre estou preparada para pagar parte da conta. Na maioria das vezes, o homem insiste em pagar, então não recuso a oferta, mas deixarei claro que pagarei a conta de vez em quando. Fui ensinada a não depender financeiramente de ninguém.”
As vezes, encontramos uma garota assim.. 

Quando eu convido uma garota para sair pela primeira e indico o lugar, eu sempre me ofereço para pagar a conta. Acho educado, e na grande maioria das vezes o relacionamento evolui. Levo em consideração que normalmente, em um primeiro encontro, eu saio em algum pub ou barzinho (previamente escolhido por mim), e em horário um pouco tarde (costumo marcar as 22h), onde raramente comemos, e a conta fica sempre entre R$ 70 a R$ 100.

Mas indiferente a isso, acho que é um detalhe que faz parte da conquista (é o preço que se paga, literalmente) e também é o momento que eu observo a reação da garota.


O que tem acontecido comigo ultimamente é que as garotas estão querendo sim pagar a parte delas. Quando a comanda é unica, eu nego educadamente e pago. Se ela insiste novamente com o garçom, eu não faço "a insistência da insistência"... deixo ela pagar e sigo feliz.



Com o passar do tempo, se a garota com quem estou saindo trabalha e possui uma certa estabilidade financeira, o processo de pagamento acaba sendo natural, rachando a conta, as vezes eu pagando, as vezes ela...

Já namorei uma garota que não trabalhava, fazia apenas um estágio e ganhava cerca de R$ 300,00 /mês. Mesmo assim, em épocas comemorativas (como meu aniversário) ela me dava presentes bem legais, e as vezes caro, como uma camisa do meu time, que custa R$ 249,00.

Nessa época meu salário era pelo menos 20 vezes maior que o dela. Então eu bancava nossos rolés. Acho importante ter bom senso. Fora que eu gostava de gastar dinheiro com quem eu gosto...

PORÉM...

As vezes, percebia que, por ela saber que era eu quem iria pagar, eventualmente sentia que ela pegava os pratos ou drinks mais caros, algo que ela provavelmente não pegaria se tivesse que pagar. Interesseira? Ou será que ela queria aproveitar um bom momento comigo, sabendo que, no final das contas, seria uns 20 ou 30 reais a mais (e realmente eu não fiquei mais pobre por isso)?

Hoje saio com uma garota muito legal. Ela trabalha, está longe de ser rica, porém é bem independente. Ela faz questão de pagar por suas despesas, o que eu admiro. Mas as vezes gosto de fazer uns mimos também...

E você caro leitor? Você segue alguma regra pessoal no primeiro encontro? Vai da sua vontade? Depende do valor a ser dividido? 

Grande abraço e lembrem-se: as vezes, por puxar a calculadora pra saber quanto custou aqueles 2 chopps que ela tomou, você pode estar perdendo uma bela companhia futura...